Moda

Royal Wedding: 10 Vestidos de Noiva que Marcaram Época

maio 18, 2018 Por Ju Schmidt

O casamento mais aguardado do ano já é amanhã (19), Príncipe Harry e Meghan Markle se casam neste sábado na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor.

E como mal podemos esperar pelo vestido escolhido por Markle para subir ao altar, reuni neste post os 10 vestidos de noiva da realeza que marcaram época:

RAINHA VICTORIA (1840)

Você já parou para pensar em quando surgiu a tradição do vestido branco para noivas? Foi a revolucionária Rainha Victória quem teve a ideia de usar vestido branco para sua cerimônia em 1840, fugindo dos padrões da época, porém criando uma tradição que reina há gerações. Foi dela também a ideia de impor que só a noiva pudesse usar o branco no grande dia. Até a troca de alianças foi uma tradição que surgiu neste casamento.

Como se não bastasse, a Rainha escolheu rendas brancas por todo seu vestido, como uma motivação política, isso porque, com desenvolvimento da indústria, artesãos estavam ficando sem emprego, já que as máquinas estavam entrando em seus lugares. Ao encomendar o vestido, Victória fez questão de solicitar artesãos trabalhando apenas para ela por muito tempo.

Quebrando o protocolo a jovem rainha não se casou com uma coroa no topo da cabeça, ao invés disso, seus cabelos foram adornados com uma coroa de flores de laranjeira.

Pura inspiração para todas as noivas da realeza que vieram depois.

PRINCESA ALICE (1935)

Outro casamento bastante inovador para os padrões foi o da Princesa Alice com o Príncipe Henry, Duque de Gloucester. Nascida com o nome de Alice Christabel Montagu Douglas Scott era filha de um duque escocês. Casou-se com um neto da Rainha Vitória e tornou-se tia da Rainha Elizabeth II por via do casamento.

Acredita-se que o vestido escolhido por Alice e desenhado por Norman Hartnel era na verdade rosa claro e foi o primeiro vestido da família real britânica criado por um estilista de renome.

Abrindo espaço para muitas noivas da realeza que vieram depois, este mesmo estilista foi o responsável pelos vestidos de noiva da Rainha Elizabeth II e da princesa Margaret e, ainda, o vestido usado na coroação da Rainha Elizabeth.

WALLIS SIMPSON (1937)

Polêmicas cercam o casamento da divorciada Wallis Simpson com o obstinado duque de Windsor, forçando-o a abdicar do trono britânico no ano anterior e provocando uma crise constitucional que abalou as estruturas do establishment britânico.

Eles se casaram em 1937 e a socialite americana Wallis Simpson escolheu para subir ao altar um simples vestido longo e um casaquinho de mangas compridas criado por Mainbocher, estilista estadunidense residente em Paris. A cor escolhida foi o azul Walllis, desenvolvida especialmente para combinar com os olhos da noiva.

O discreto vestido se tornaria um dos mais copiados de todos os tempos.

RAINHA ELIZABETH (1947)

Selecionado entre vários modelos o desenho do estilista Sir Norman Hartnell foi escolhido em meados de agosto de 1947, menos de três meses antes do casamento da Rainha Elizabeth. A inspiração para o modelo veio da tela Primavera, de Botticelli, que simboliza a chegada da estação.

O vestido foi decorado com cristais e 10.000 minipérolas, importadas dos Estados Unidos, e foi pago com cupons de racionamento, por causa das medidas do pós-guerra.

GRACE KELLY (1956)

O vestido da noiva de Grace Kelly foi criado pela figurinista Helen Rose, dos estúdios Metro-Goldwyn-Mayer, que deram a peça de presente para a atriz.

Trinta costureiras levaram dois meses para produzir o modelo de tafetá de seda, gola alta, mangas compridas e decorado com rosas de renda Valencienne e milhares de pérolas. A inovação ficou por conta do corpete de renda e da faixa de cetim em volta da cintura.

Grace Kelly casou-se com o príncipe Rainier III de Mônaco no dia 19 de abril de 1956.

RAINHA FABIOLA DA BÉLGICA (1960)

O vestido de noiva da Rainha Fabíola para seu casamento em 15 de dezembro de 1960 com o rei Baudouin da Bélgica foi desenhado por Cristóbal Balenciaga, o estilista criou secretamente o modelo em seu apartamento para evitar vazamentos.

O vestido de cintura baixa foi feito de cetim de marfim e está em exibição no Museu Balenciaga na Espanha.

PRINCESA DIANA (1981)

Extravagante e chamativo Diana encarnou a a princesa clássica, com vestido todo feito em tafetá de seda, com detalhes em renda, babados, mangas bufantes e com aplicação de dez mil madre-pérolas bordadas à mão.

Criado por David e Elizabeth Emanuel, o vestido de tafetá na cor marfim, tinha cerca de oito metros de cauda.

O vestido, durante muitos anos, foi uma referência para noivas de todo o mundo.

PRINCESA VICTORIA DA SUÉCIA (2010)

Victoria elegeu o sueco Pär Engsheden para desenhar o seu vestido de noiva. O vestido da princesa foi confeccionado em cetim duchesse em cor creme. Com uma pequena gola que caia sobre os ombros e mangas muito curtas, o decote termina em “v” nas costas com pequenos botões forrados. Uma faixa larga do mesmo tecido acentua a linha da cintura e torna o modelo muito elegante.

A cauda tinha cerca de cinco metros e o véu em renda era preso com uma das mais fabulosas tiaras pertencentes à coroa real sueca.

Victoria surpreendeu por dois motivos: a simplicidade do modelo escolhido e o facto de ter escolhido um costureiro sueco quando todos davam como certo o nome de Elie Saab para o seu vestido de noiva.

PRINCESA CHARLENE WITTSTOCK (2011)

O vestido escolhido pela sul-africana Charlene Wittstock para se casar com o príncipe Albert II de Mônaco foi um Giorgio Armani Privé. O longo marfim de decote canoa tinha 5 metros de cauda, 20 metros de véu, 40 mil cristais Swarovsky e 20 mil gotas de madrepérola bordados na cerimônia religiosa do casamento

Charlene escolheu o decote bateau, seu preferido, que realça seus ombros bem torneados de nadadora.

KATE MIDDLETON (2011)

Uma das noivas mais recentes e famosas da realeza fecha este post, o vestido de noiva de Kate Middleton ainda está bem fresco em nossa memória.

Comparado ao de Grace Kelly, o vestido foi desenhado pela estilista Sarah Burton, da grife Alexander McQueen.

O corpete, estreito na cintura e mais aberto nos quadris, remete à tradição da modelagem vitoriana, mas mostra modernidade com os cortes retos da cauda de 2,7 m. A renda do vestido de Kate foi feita à mão na Royal School of Needlework (Escola de Costura Real).

Agora, só nos resta aguardar ansiosamente pelo grande dia de Meghan Markle amanhã, minha aposta continua sendo a marca queridinha do momento Ralph & Russo, vamos ver se meu palpite vai se confirmar.

Veja também esses posts relacionados:

Comente com o Facebook

Deixe seu comentário

Translate »